terça-feira, 2 de julho de 2019

Magic Formula atualizado

E aí pessoal, tudo certo. Estive um pouco de saco cheio de postagens devido ao somatório trabalho e preguiça. Mas vamos ser fiéis ao plano e atualizar o acompanhamento da fórmula mágica:

A primeira carteira é composta de 10 ações ordinárias com o posto mais alto no ranking e são elas, em ordem:

PSSA3 Investido
WIZS3 Investido
UNIP3 Investido
RPMG3 Investido
QUAL3 Investido
NAFG3 Investido
AGRO3 4BI
BRKM3 4BI
TEND3 5BI
SMSL3 5BI

A segunda carteira é composta de 10 ações ordinárias com o posto mais baixo no ranking e são elas, em ordem:

DIRR3 Investido
CYRE3 Investido
ELET3 Investido
BTOW3 Investido
EVEN3 Investido
STBP3 Investido
POSI3 4BI
OIBR3 4BI
SEDU3 5BI
MEAL3 5BI

A terceira carteira é composta de 10 ações ordinárias com o posto mais alto no ranking, mas com liquidez acima de 10 milhões de negociações nos últimos meses, são elas em ordem:

PSSA3 Investido
QUAL3 Investido
TOTS3 Investido
SMLS3 Investido
TEND3 Investido
PRIO3 Investido
VALE3 4BI
ECOR3 4BI
SLCE3 5BI
BEEF3 5BI

O objetivo é investir 2.000 reais em cada uma, uma em cada mês desde jan/19, para serem vendidas daqui um ano. Portanto eis o resultado acumulado até julho de 2019:

Carteira 10 melhores  + 16,20%
Carteira 10 piores       + 11,74%
Carteira 10 + liquidas + 12,85%
IBOV                          + 11,75%

Como vemos apenas a carteira hipotética das dez piores ações do ranking da Formula Magica perdeu/quase empatou o IBOV do período.

Nos vemos em breve!

quarta-feira, 13 de março de 2019

Teste com a Magic Formula

Inspirado pelo post do Investidor Inglês, fui ler os papers sobre a magic formula aplicada no Brasil e decidi realizar alguns testes. Seguindo os parâmetros do trabalho criei 3 diferentes carteiras, mas antes vale ressaltar que tive que utilizar o EBIT, ao invés do EBITDA por falta de dados no site do fundamentus, por isso talvez os resultados sejam um pouco distorcidos, mas não distantes da realidade de uma carteira de formula magic pura.

A primeira carteira é composta de 10 ações ordinárias com o posto mais alto no ranking e são elas, em ordem:

PSSA3 Investido
WIZS3 Investido
UNIP3 2BI
RPMG3 2BI
QUAL3 3BI
NAFG3 3BI
AGRO3 4BI
BRKM3 4BI
TEND3 5BI
SMSL3 5BI

A segunda carteira é composta de 10 ações ordinárias com o posto mais baixo no ranking e são elas, em ordem:

PSSA3 Investido
QUAL3 Investido
TOTS3 2BI
SMLS3 2BI
TEND3 3BI
PRIO3 3BI
VALE3 4BI
ECOR3 4BI
SLCE3 5BI
BEEF3 5BI

A terceira carteira é composta de 10 ações ordinárias com o posto mais alto no ranking, mas com liquidez acima de 10 milhões de negociações nos últimos meses, são elas em ordem:

DIRR3 Investido
CYRE3 Investido
ELET3 2BI
BTOW3 2BI
EVEN3 3BI
STBP3 3BI
POSI3 4BI
OIBR3 4BI
SEDU3 5BI
MEAL3 5BI

O objetivo é investir 2.000 reais em cada uma, uma em cada mês desde jan/19, para serem vendidas daqui um ano. Nesse sentido, pretendo publicar os resultados bimestralmente, portanto já temos o resultado do primeiro bimestre, que vos segue:

Carteira 10 melhores  +16,47%
Carteira 10 piores       + 7,25%
Carteira 10 + liquidas + 6,83%
IBOV                          + 6,30%

Como vemos todas as carteiras hipotéticas da Formula Magica bateram o IBOV do período, com destaque para as 10 piores ações no ranking, que curiosamente também bateram a carteira de ações mais líquidas, um fenômeno observado no Brasil já testificado pelo autor desta monografia.

Nos vemos em breve!

quinta-feira, 7 de março de 2019

Atualização fevereiro (+0,56%) e blog de molho

Fala sobreviventes da Matrix, quem é vivo sempre aparece. Estou meio sem saco para postar atualização mensal, por isso vou dar uma enxutada na forma como faço, especialmente retirando a lista de ativos em que invisto, pois não vejo sentido em explicar cada investimento um por um.

Sendo assim, eis o desenvolvimento dos últimos meses:



A vida vai indo bem também, pedi uma remoção para sair da cidadezinha em que trabalho e mudar para uma cidade grande. Já expliquei meu desencanto com cidades pequenas anteriormente, chega uma hora em que a falta de opções não justifica mais a tranquilidade, especialmente quando se é jovem como este que vos escreve.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Estudo de caso: Renda Fixa x Variável

Para fazer uma comparação entre quem vence entre renda fixa e renda variável decidi fazer 3 exemplos de investidores brasileiros para vermos quem prevalece no médio prazo.

O teste é o seguinte:

1- Aportes mensais de 1000 reais
2- Na renda fixa escolhi CDBs e o valor final é o bruto (porque tive preguiça de tirar o IR final)
3- Prazo de 8 anos de investimento, de jan/2011 até jan/2019
4- Os proventos foram usados para adquirir mais ações

Vamos conhecer nossos investidores:

Jovem recém empregado

Nosso primeiro exemplo é do jovem que acabou de conseguir um emprego em 2011, ano em que o país ainda está bombado, e pensa em investir para alcançar a IF antes do 50. Já vem com um conhecimento ou outro de investimento e escolhe botar 1.000 reais num CDB de rating decente pagando 100% do CDI. Como acredita no potencial produtivo do país também decide comprar mensalmente 1.000 reais em ações da Queiroz Galvão (QGEP3) e espera que a empresa devolva bons resultados no Longo Prazo. Vamos ver como se saiu o nosso rapaz no início de 2019:

Saldo Final do CDB (100% CDI):     R$ 143.788,22    +49%
Saldo Final de QGEP3:                     R$ 123. 195,60   +28%

Crescimento ruim nos últimos 8 anos, talvez nosso amigo deva procurar ativos melhores para chegar rico aos 50.

Tiozão Conserva



O próximo indivíduo é o bom e velho tiozão averso a investimentos de risco. Ele não gosta de bolsa, acha que é cassino e que não tem emocional para ficar vendo ação caindo e subindo o tempo todo. Um dia conversando com o sobrinho recém empregado ele se convence de que vale a pena colocar a ponta do pé no mundo de investimento.

Com um salário farto nos altos de seus 50 anos, decide colocar milzão em um CDB 80% do CDI e outros 1.000 em VALE3, empresa que seu pai trabalhou e que ele ainda lamenta ter sido vendida "a preço de banana" pelo presidente FHC. Vejamos a situação do tiozão:

Saldo Final do CDB (80% CDI):     R$ 131.772,08   +37%
Saldo Final de VALE3:                    R$ 194.718,00   +102%

Tiozão não poderia estar mais feliz com sua aposta, até convida seu sobrinho para fazer um churrascão na sua chácara. O sobrinho por sua vez dá um sorriso amarelo, parabeniza o tio e diz que sua carteira está indo de vento em popa.

Senhorita tudo ou nada


Nossa amiga já não aguenta mais a vida de gado que leva em seu trabalho. Tudo que queria era viver de sua arte, viajando e curtindo a natureza, mas eis ela lá em 2010 mexendo em planilha, lidando com impressora que agarra o papel e colegas de trabalho que acreditam no governo Dilma. 

Ao ver a vida de seu tio conserva, que agora fala em precisar "arrumar esse país", que o Brasil "precisa mesmo é de um presidente militar como antigamente", a Senhorita perde a paciência no jantar de Natal e conversa com seu primo recém empregado sobre o que ela pode fazer para se aposentar logo.

Ouvindo as propostas conservadoras de investimento de seu primo, Senhorita decide que hora do tudo ou nada, pega 1.000 reais e escolhe o CDB de 120% do banco com rating mais baixo possível. Acreditando no poder esotérico do pensamento positivo, decide que sua vida vai alcançar as nuvens, portanto compra mensalmente uma boa smallcap de 2010, GOLL4 . Vejamos se nossa sonhadora chegou lá:

Saldo Final do CDB (120% CDI):   R$ 157.232,05   +63%
Saldo Final de GOLL4:                    R$ 260.347,20   +271%

Conclusão

Jovem agora com uma carreira estabelecida decide parar com investimentos na bolsa e coloca 100% do seu portfólio na renda fixa depois de sua desilusão no mundo dos investimentos. Ainda espera chegar aos 50 aposentado.

Tiozão Conserva explode de alegria no dia 1 de Janeiro de 2019, agora mais rico e com um presidente militar no controle do País. Vende todo seu portfólio de ações da Vale e seus CDBs e compra FJTA3 a R$ 10,30 esperando retornos violentos nos próximos meses. Três semanas depois infarta ao abrir o home broker.

Senhorita imprime seu pedido de demissão, chega na sala do chefe e diz que acabou a vida de senzala. O seu CDBs chegam ao vencimento e para sua surpresa o banco já é pó, deve esperar mais alguns meses até FGC cobrir a bancarrota do banco. Enquanto isso vai para Maromba-RJ, onde conhece uma comunidade alternativa, decide vender seu portfólio e doar o dinheiro para o hospital do câncer. 

Moral da história: Não defendo que se deve ser mais ou menos conservador, só mostrei exemplos do que poderia ter acontecido. Talvez escreva outras histórias em que os resultados se invertam, pois investimento não é algo cartesiano e ninguém sabe o fim das coisas com certeza, portanto não advogo que se siga um lado ou o outro.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Fim do ano e um pouco sobre o sucesso

Esse ano foi de grandes novidades para mim. Eu nunca tinha trabalhado até fevereiro desse ano, passei boa parte dos últimos cinco anos entre estudos da faculdade e estudos para concurso. Depois de 5 anos enfurnado num quarto respirei o ar do mundo real com todas suas crises e alegrias.

Também foi o ano que comecei a investir, montei planilhas, fiz projeções, apostei errado e colhi frutos minguados no final das contas.

Igualmente, comecei a receber o bom e velho salário, a torcer para chegar o dia 5 e montar planilhas de orçamento para ver o quanto sai, o quanto se investe, o quanto leva para o outro mês.

Creio que essa realidade não é diferente de outros bilhões de seres humanos e é fácil deixar essa mudança passar batido, mas gosto de pensar que essa alteração - da vida de jovem sem preocupações para trabalhador de 9-17h - tem profundos efeitos na nossa vida.

Hoje ando com mais confiança sabendo que todo esforço que tive pelos últimos anos me trouxe um cargo com estabilidade e retornos financeiros muito bons. Dinheiro não compra felicidade, isso é um fato indiscutível, mas é pura ingenuidade pensar que viver fazendo conta para não passar necessidade é uma virtude em comparação a ter um bom salário.

Nessa área, eu já estou em paz. Nesse sentido, recomendo a todos que conheço, sobretudo a outros jovens, que considerem "fechar" essa fase da vida antes de se preocupar com outras coisas, pois não há nada mais angustiante do que entrar nos 30, 40 e etc, inseguro sobre sua condição financeira.

Conheço esse problema em primeira mão; tive que conviver com um pai sempre infeliz pela condição financeira estrita, sentimento o qual, mesmo com mais recursos hoje em dia, ele não consegue superar facilmente.

Sucesso é viver seguro da sua situação atual, poder andar por aí de cabeça erguida sabendo que tudo que pôde ser feito, se fez. Errar as vezes vai ser inevitável, a matrix vai te puxar pro caminho mais fácil e só um espírito sábio e resiliente poderá enxergar o fim do túnel.

Desejo que todos possamos ter um ano de 2019 alegre e cheio de vitórias pessoais, em quaisquer áreas que desejarmos (e melhores rentabilidades, por favor!)

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Atualização Novembro (-2,05%)

Fala sobreviventes da Matrix, eis que o Bicho voltou depois de uma parada com o blog. O novo trabalho consumiu um pouco da energia e da criatividade para postar novas coisas, mas vou retornar o ritmo em 2019.

Financeiro

QGEP3, que era a estrela da carteira, esse mês trouxe uma naba em virtude do anuncio de Recuperação Judicial de uma das empresas do grupo. Aliado a isso, petróleo tá abaixando, embora a OPEP esteja reduzindo a produção para controlar o preço (nada como um bom e velho oligopólio, não é mesmo).

VISC11 e VIVT3 vão crescendo as poucos.

GRND depende da alta da taxa de juros ou de investimentos, inevitavelmente aumentará um dia.

Comprei UBSR11 que é fundo de papel, pois estão entregando bons alugueis mensais e estava mais barato no P/VPA do que VRTA11. HCRI11 é o hospital do câncer, deu uma caída boa pq o locatário foi inadimplente, mas deve quitar a dívida, com juros, o que pode trazer um yield bom pela frente.




Outubro o otimismo deu uma melhorada na carteira, mas novembro devolveu parte disso. De todo modo, a carteira está com 5% de retração, nada bom, mas o ano foi bosta e cometi alguns erros, com o tempo creio que os retornos melhorarão.



quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Atualização Patrimonial: Setembro (+0,5%)

Fala sobreviventes da Matrix, Nem sempre o Sol brilha; na minha carteira não tem brilhado há um tempo. Mas vamos que vamos, um dia o senhor mercado me olhará com amor.

Financeiro

QGEP3 continua dando uma empinada na carteira, mas as baixas nos demais ativos comprometem a rentabilidade. VISC11 deu uma caída por ausência de novas aquisições, mas este mês de outubro anunciaram novas compras para o Fundo. GRND depende da alta da taxa de juros, inevitavelmente aumentará um dia. VIVT3 tem anunciado bons dividendos e tem expandido no país, só o tempo dirá o seu futuro.



O patrimônio andou de lado este mês, tendo sofrido profundas quedas este ano e subidas tímidas, o que me deixam num consolidado anual de míseros -10%. Não era o que eu sonhava, mas não estamos num país dos sonhos também.