terça-feira, 3 de julho de 2018

Atualização Patrimonial: Junho (+7,57%)

Fala sobreviventes da Matrix, mais um mês na gangorra brasileira chamada Bovespa. Vamos aos números

Financeiro

Junho comprei Queiroz-Galvão, nada como uma empresa amiga do Governo para dar uma guinada na carteira do investidor brasileiro e não é que a sem vergonha brilhou mesmo:


O patrimônio subiu legal esse mês, mas no consolidado tá patinando:


Projetos Paralelos:

Comecei as aulas de moto, apanhando muito por enquanto, mês que vem saberemos o desfecho dessa narrativa.

Profissional/Trabalho:

Trabalho está no ritmo de acréscimos só esperando aquela nomeação bonita para chutar tudo pro alto e começar a vida nova.

Estudos/Intelectual/Cultura:

Em junho dei um gás nos estudos, para renovação, já devo ter lido umas 1000 páginas, mas consigo fazer melhor que isso.

Infelizmente dei uma afundada nos jogos eletrônicos, o que refresca minha cabeça, mas me dá uma lerdeza intelectual conflitante.

Corpo/Saúde/Desenvolvimento Pessoal/Hobbies:

Jejum intermitente comendo solto, estou também aprendendo umas receitas paleo para começar a focar nessa dieta. Em breve postarei uma avaliação sobre o jejum e seus benefícios.

Social/Mulheres/Afins

Mês de ostracismo completo. Conheci o site legado realista e estou dando uma lida nos posts, parece ser um bom reduto de sabedoria.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

O mito da Cidadezinha


Provavelmente muitos habitantes da blogosfera conhecem a lendária figura do Roger da Cidadezinha, um jovem beta, que formou seu próprio "feudo" num pequeno município de interior. Ocasionalmente encontramos outros na finansfera dispostos a instalar seu próprio reinado em algum lugar perdido neste grande Brasil.

Difícil afirmar se a história do Roger é verdadeira ou não, mas na minha opinião, é apenas um conto, quase que erótico, das expectativas de um garoto sofredor de cidade grande sobre a vida bucólica do campo. Meu objetivo neste post é desmistificar a realidade da Cidadezinha, apresentando os pontos positivos e negativos de se viver nela.

Para não parecer que estou falando sem fundamento, já morei em muita cidade no Brasil, de grandes a pequenas. Minha percepção sobre este tema deriva de anos de vida em municípios abaixo de 5.000 habitantes.

Primeiramente, um problema conceitual: O que é uma cidadezinha? Na minha opinião, cidadezinha é um município com menos de 10.000 habitantes, longe de grandes centros, com economia estritamente agrária. Cidades com mais do que isso já estão inseridas no mundo global e acabam por perder características marcantes do interior.

1- As finanças



Estamos na finasfera, então vamos começar falando de dinheiro, pois é difícil conciliar bom salário e oportunidades na Cidadezinha. Temos duas opções: 1) ser fazendeiro rico; 2) ser servidor público. A primeira é improvável para o moleque de cidade, mas a segunda é mais plausível. Ainda assim, para se tornar um verdadeiro "senhor feudal" não dá pra ir pra Cidadezinha ganhando 1k na prefeitura. É melhorar procurar cidade com comarca, ou representação da Receita ou da PF.

Concursos destas áreas normalmente tem vagas para lugares no meio do nada, onde é possível ganhar muito dinheiro, com a facilidade de encontrar baixíssimos custos de vida, isso somado ao status instantâneo de estar em carreiras de elite da administração federal.

Quanto aos custos de vida, eles são quase nulos para quem tem grana: Comida você pode literalmente pegar no meio do mato, ou pagar preços irrisórios em mercadinhos locais. Imóvel você acha verdadeiras mansões a preço de água tendo em vista que a demanda é baixa por boas casas.

A parte negativa é não encontrar muito lugar pra gastar, mas pra quem vive frugalmente e gosta de guardar dinheiro, a Cidadezinha é o céu na terra

2- Vida Social


Uma das minhas críticas a história do Roger é o fato dele criar esta ideia de que a soma bom salário + cidadezinha garante ascensão social sem esforço. Não é bem assim, a Cidadezinha tem sua hierarquia, suas famílias tradicionais e mais do que tudo, uma certa repulsa aos desconhecidos.

Sim meus amigos, o preconceito reina forte na Cidadezinha, enquanto não provar ser um bom membro da sociedade, você continuará sendo um pária, independente da seu cargo ou salário.

Primeiramente, religião é a instituição mais forte na cidadezinha. É evangélico numa cidade católica?Morte social. Chegou numa cidade luterana com um terço? Pode comprar sorvete que o fim de semana vai ser no Netflix. Além disso, se chegar com um nariz empinado, sem querer se misturar com o jeito dos caras, vai ficar jogado as traças igualzinho na cidade grande.

Para além das dificuldades culturais, saiba que a vida social na Cidadezinha se resume a noitadas em bares decadentes e festas caídas umas três vezes por ano. No resto do ano o cemitério é o lugar mais agitado.

3- Romances



Roger se orgulhava em não encontrar dificuldades para pegar as 10/10 da cidadezinha. Isso é quase mito, na minha opinião, pelos motivos a seguir.

Existe mulher bonita em cidadezinha? A resposta é sim, mas saiba que antes do 18 anos elas já estão casadas ou metem o pé do interior. Mulheres acima de 20 anos só se acha a rapa do tacho, ou casadas, que são mais fiéis do que a mulher cosmopolita.

Então lhe sobra apenas uma escapatória, que ao meu ver não é nobre, por isso não indico, ir buscar na escola. Antes que expresse seu desgosto pelo tópico saiba que é extremamente comum garotas antes do 18 já serem mães na cidadezinha, o processo começa tão cedo quanto 13 anos, normalmente motivado pela vontade de sair de casa e ser independente, por isso se emprenham de caras de 30 anos para cima.

Não quero motivar ninguém a fazer isso, acho triste e decadente, mas essa é a opção que te sobra na Cidadezinha. Quando chega aos 18 anos os pais pagam faculdade pra filha em cidade grande e você nunca mais vê a pessoa, o que deixa a Cidadezinha com um vazio etário notável na faixa dos 20-30 anos.

Portanto, não se iluda, jovem beta, suas chances não vão  aumentar na Cidadezinha, ao contrário, podem restringir ainda mais suas chances de encontrar alguém.

Concluindo, a Cidadezinha é uma opção ótima pra quem quer tranquilidade e distância do nojo que se tornaram as cidades grandes. Todavia, não deixa de atentar para suas mazelas, notavelmente as dificuldades de se integrar a cultura e a vida social. Antes de querer montar seu feudo não deixe de ler a história do Roger, mas leia com humor, pois muito do que está ali não vai funcionar na maioria dos casos.


segunda-feira, 4 de junho de 2018

Atualização Patrimonial: Maio (-9,4%)

E aí sobreviventes da matrix, vamos a mais uma postagem marota de rentabilidade (ou da falta dela)

Financeiro:  

Maio foi a bosta que todos já sabemos, aqui não foi diferente. Comprei VIVT3, me parece um bom ativo, com bom DY, pouca volatilidade, mas Free Float baixo. O tempo irá dizer se valeu a pena.

O restante da carteira foi só madeirada. Ganhei uns 70 reais de Dividendos da GRND3 e do aluguel de VISC11.



Do lado do patrimônio, a evolução está assim:


Projetos Paralelos:

Paguei as taxas para tirar a carteira de moto, mas as aulas estão marcadas só para Julho.

Profissional/Trabalho:

Esperando a nomeação do próximo concurso, espero que saia depois de Julho para não ferrar minhas aulas de moto.

Estudos/Intelectual/Cultura:

Tenho um projeto para estudar para um concurso top em Tribunais de Contas, mas que só posso assumir com 10 anos de carreira. Por enquanto estou melhorando nas matérias. 10 anos parece muita coisa, mas quero chegar lá com o machado afiado.

Estou buscando uma pós graduação na região, queria evitar Uniesquinas, espero conseguir numa pública, mesmo que mediana.

Corpo/Saúde/Desenvolvimento Pessoal/Hobbies:

Estou há três meses no jejum intermitente e minha fome é quase inexistente agora. Tenho feito minha comida e mantido um shape saudável.

Vou voltar para academia quando mudar para a cidade do novo cargo.

Social/Mulheres/Afins

Visitei meu irmão este mês, fazia tempo que não o via, foi bom passar um tempo com ele.

Saí como uma garota num blind date arranjado por uma amiga. A garota é ok, uma 7/10 num dia bom, mas ela tinha minha altura, me senti relativamente manlet, mesmo tendo 1,77. Não vai vingar, ela mora muito longe, mas o encontro foi divertido.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Histórias da Matrix Financeira - As au pair

Até o início desta década nunca havia ouvido falar desta "oportunidade" de trabalho conhecida como au pair. Para quem não conhece, essas são meninas de países subdesenvolvidos que trabalham como babás na casa de americanos em troca de sustento e cursos de idiomas por um período.

No meu grupo de conhecidos vi muita gente tentando entrar no esquema, em busca da sonhada experiencia internacional. Algumas conseguiram, outras não. Deixarei para esboçar minha opinião sobre o programa ao fim história.

Pois bem, citarei a história de três conhecidas que foram acolhidas no programa para entendermos como o sistema de au pair é um dos grandes exemplos da Matrix Financeira.

Luísa - A 10/10 da cidadezinha


Luísa era uma garota normal, tomboy, que ao receber a dádiva da puberdade tornou-se a 10/10 da cidade de interior em que vivia. Passou a namorar os alfas absolutos da cidade e ascender socialmente.

Cumprindo o sonho de criança, estudou no açougue  universidade local no curso de Direito, trabalhou nos escritórios tops da cidadezinha e formou-se tranquilamente.

Mas a vida de Luísa era muito maior do que o interior poderia ofertar, sonhos de viver na capital e ganhar 30k como juíza começaram a seduzi-la. Ocorre que sair do meio do nada, com diploma de Uniesquina, para tornar-se funça de alto calão apresentou-se uma tarefa impossível para a o pobre menina. O fundo do poço chegou; o alfa largou Luísa para pegar a próxima da lista; a crise afastou os trabalhos; Luísa passou a frequentar shows de sertanejo universitário.

Quando tudo parecia ter chego ao fim, uma luz brilhou no fim do túnel. A promessa de viver na América e largar a vida retrógrada do interior tornou-se a nova meta de vida de Luísa e após alguns meses lá estava nossa jovem advogada a caminho dos EUA para dar banho em bebê.

O salário é baixo, 200 dólares por semana, Luísa, porém, viaja mensalmente pelo país. Por vezes visita países próximos ou mesmo distantes, como uma passagem pelo sudeste asiático, onde nossa guerreira confessou ter encontrado "todo o sentido da existência" (¯\_(ツ)_/¯).

Para família jura estar frequentando a igreja e dando aula para as crianças, para o Instagram posta foto de suas escapadas de final de semana nos clubes badalados da cidade.

Conversando com Luísa, aconselhei que se preparasse para concursos enquanto estivesse nos EUA, ao que me respondeu: "quando voltar pro Brasil eu vejo isso". Boa sorte Luísa.

Eliana - A deslumbrada na terra do "all-you-can-eat"




Eliana também frequentou a Uniesquina de sua cidade, num curso escroto que não dá futuro nem aqui nem lá fora. Eliana também tinha sonhos grandiosos para vida, que incluíam a construção, em sua casa, "de uma biblioteca com teto de vidro para que observasse as estrelas enquanto lia um dos livros de seu acervo". Quando questionada sobre a viabilidade financeira do projeto afirmava que "encontraria um beta parceiro que dividisse este sonho", embora ela mesma não se interessasse muito por estudos ou finanças.

Cansada da vida escrava que levava no Bananal, trabalhando em subempregos e sem chances de triunfar com seu diploma, Eliana mordeu a isca e foi para a América viver a experiencia internacional que tanto almejava, passando a ocupar o emprego de babá.

Nossa aventureira, que sempre foi uma mediana 7/10, deslumbrou-se com as oportunidades gastronômicas na terra do Tio Sam e provavelmente dobrou de peso pelas fotos recentes. Ah, a nossa amiga também viaja quase que semanalmente, não achou o beta da biblioteca de vidro e em breve voltará para o BR. O que será do retorno de Eliana?

Maria - A que se deu bem




Maria era a mais bem sucedida entre as três, estava no quarto ano de engenharia-de-alguma-coisa-sem-futuro num campus de Federal no interiorzão. Sabe-se lá céus porquê, Maria deu a louca de botar a graduação de lado para lançar-se numa experiência internacional. Como o Férias Ciências sem Fronteiras foi extinto, a única chance para Maria era aceitar o encargo de nanny em solo americano.

A decisão de suspender a graduação recebeu elogios e críticas, mas nada impediu Maria de seguir seu sonho. Ao chegar na América inscreveu-se num site de relacionamentos e - pasmem - conseguiu pegar um beta canadense piloto de avião. Tudo indica que o amor vai subir a serra, ou no caso de Maria, salvá-la da vida no Brasil.

Maria é modesta em seus gastos, bancou a viagem da mãe para conhecer o futuro genro e parece estar poupando para contingências, not bad.

Conclusão

A tentação de sair do Brasil é grande. Num período de poucas perspectivas as pessoas dão seu jeito de se livrarem da vida de bosta que tem por aqui em busca de oportunidades melhores.

O que as meninas não entendem é que a festa tem prazo para terminar, o programa não é para sempre, e um dia terão que voltar para sua antiga vida. Quem não consegue fisgar um companheiro lá fora só tem duas alternativas: viver na ilegalidade ou fazer as malas e desembarcar em Cumbica.

Eu vejo que a maioria das au pair brasileiras, ao invés de estarem dando passos para frente, estão na verdade postergando seu fracasso, seja porque terão que voltar pro Brasil e amargar o desemprego, seja porque terão que viver ilegalmente no EUA. Pela forma imersa na Matrix como vivem, voltarão para o Brasil pobres, com uma experiencia de trabalho inútil - currículo de babá, pqp - e retomarão a vida de onde pararam, na mesma condição que as fizeram sair.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Novo Ranking Neff + Post do Maestro


RANKING NEFF + MAESTRO

No mês passado avisei que postaria um ranking novo do índice de Neff. Depois de ler o excelente post do Maestro Investidor sobre ROE e as perspectivas de retorno sobre o valor investido, decidi colocar no ranking o índice “Maestro”.


Basicamente, o blogueiro indica que a relação entre ROE e P/VPA pode dar indícios das perspectivas de retorno de uma ação. Valores maiores, no ranking, indicam retornos rápidos e com mais garantia de realização, valores menores representam retornos mais lentos e de menor chance de realização. 

Entretanto, o retorno “lento” pode trazer maiores benefícios ao longo prazo, dependendo da consistência na entrega do ROE.

Para o Maestro, valores positivos indicam um bom momento para adquirir a ação. Não deixe de ler o post original no blog do Maestro, que detalha com maestria o raciocínio!

Deste modo, conclui ser interessante unir o índice de Neff, que analisa o potencial de crescimento da empresa no longo prazo, com o índice do Maestro, que indica se o valor pago por uma ação vai ter bom retorno ao longo do tempo.

Um recap do índice de Neff: O índice busca filtrar ações com bom crescimento do Lucro líquido, acompanhado de pagamento regular de dividendos e que estejam a um preço razoável. Para o autor, ações com score acima de 10 valem a pena serem adquiridas. 


Para este novo ranking tentei colocar ações de 40 empresas que tenham crescido desde 2013. Procurei diversificar nos segmentos. Também pus umas turnarounds para acompanhar se a pipa vai subir ou não. (Nas turnarounds o período inicial é a data do TA, por exemplo, TEND3 em 2015)


Em Vermelho: Small CAPS
Em Abóbora: Turnarounds
Em verde: Ações normais

OBS: No índice do Maestro, números negativos não são ruins, quanto mais perto de zero, mais chance de retorno. Maior que zero, ainda mais.


Operações:


NEFF= (Crescimento LL5anos + DY) / P/L

Maestro= (ROE/100 + 1) – P/VPA

Valores atualizados no dia 14 de maio de 2018, com base no site fundamentus

























Conclusão: O que fazer com este ranking?
Para quem tem por estratégia o buy and hold, acho melhor buscar ações que estejam positivas no índice de Neff, mas não tão puxadas, a exemplo de MOVI3 e SLCE3, pois estes crescimentos expressivos podem não ser entregues consistentemente. Em geral, EU prefiro ações entre 3,5-11 no Neff, pois são empresas que têm crescido gradualmente e têm entregado bons dividendos, num preço razoável.

Quanto ao índice do Maestro, não pegaria algo abaixo de -2, pois indica que o retorno será muito lento, ou que o preço está puxado muito acima do valor. Por exemplo, CVCB3, que está com quase -7 no score do Maestro, me parece muito cara e com retorno devagar demais. Se entra uma crise e o povo para de fazer pacote da CVC, sei lá quando verei retorno.

Agradecimentos:
Parabéns ao amigo Maestro, fico admirado dele ter gasto o tempo para analisar estas tendências e divulgar para o resto da finasfera, legal ver essa iniciativa do colega brasileiro. Minha expectativa é que, ao analisar o resultado do índice no longo prazo, possamos encontrar boas empresas para investir.

Eventualmente voltarei com um novo post deste ranking.


quarta-feira, 2 de maio de 2018

Atualização Patrimonial: Abril (+0,49%)

Segundo mês de atualizações patrimoniais e o primeiro com sinal positivo. Meio minguado, mas vitória, vamos aos numbers:

Ativos







  Este mês comprei VISC11 e já consegui um aumento no valor da cota. Imagino que o preço permanecerá por volta dos 112~113 mesmo.

Grendene eu comprei numa época de alta e atualmente a ação tem tentado quebrar a marca dos 27,50 novamente. Torço para dar uma valorizada depois do desdobramento.

Patrimônio






   Entre a valorização de VISC11 e a patinada da GRND3 o patrimônio não teve um crescimento excelente, mas estou satisfeito em ver um aumento e não uma diminuição do patrimônio este mês.

Aportei menos em Abril porque me preocupei em começar a juntar uma reserva para aquisições futuras com móveis para minha nova casa. Vou mudar no segundo semestre e terei que mobilhar um imóvel, pois atualmente estou num apartamento mobilhado.

Em maio, pretendo comprar mais açoes e FIIs.

Vida Pessoal

Trabalhar no serviço público tem me mostrado que as pessoas não sabem aproveitar oportunidades para melhorar o mundo. Entrei há dois meses na ADM pública e vejo que o pessoal que chegou comigo já se acomodou a vida de morosidade, mesmo tendo ampla oportunidades de melhorar o serviço que até então estava entregue a comissionados e peças de museu. Achei que minha geração faria melhor que as passadas, mas pelo jeito a tentação da mediocridade transpassa as eras.

Vida Social está fraca, mal tenho saído, não conheço ninguém na cidade nova e, com as perspectivas de mudar em breve, não tenho feito esforços para mudar a situação. Espero que no futuro a coisa melhore, meu isolamento tem estado além do normal.

Tirarei a carteira de moto este mês. Não quis afundar meu dinheiro na compra de um carro, mas transporte de moto me parece vantajoso, principalmente morando numa cidade em que o transporte público é quase inexistente.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Ranking Índice de Neff - Post do Investimento em Valor


Decidi continuar o legado de um colega que aparentemente deixou a finansfera há um tempo. O blogueiro “Investimento em valor” costumava postar um ranking usando a fórmula de Neff para avaliar boas empresas para se tornar sócio.

A ideia da fórmula de Neff é encontrar empresas que estejam a um bom preço de entrada e que ao mesmo tempo ofereçam boas perspectivas de crescimento a longo prazo. Para isso soma-se média de crescimento dos últimos 5 anos a média de Dividend Yield, então divide-se pelo P/L. Dessa forma, encontramos um valor que representa o índice de Neff, sendo que ele considera 10 um bom valor de entrada.

Antes disso, uma pequena pincelada em alguns conceitos apresentados no ranking. P/VPA representa quão barata está a ação em relação ao seu valor patrimonial. Por exemplo, se ação é cotada a 10 e seu valor patrimonial é 20, ela está com 50% de desconto. É um bom parâmetro, mas não representa qualidade da empresa, pois o barato pode maquiar uma empresa ruim. Ao mesmo tempo, pode ser interessante entrar numa ação “cara” desde que o valor intrínseco seja bom e é isso que o índice de Neff quer achar.

Proponho a seguinte comparação: um megadrive, um PS4 e um XBOX. Se olharmos meramente o preço compraríamos megadrive, mas pq comprar um videogame de 20 anos atrás? Escolhemos então um mais caro, porém mais atual. PS4 é mais caro que um XBOX, mas o valor intrínseco do da Sony é maior, pois tem uma carteira de jogos superior. Vale a pena pagar mais caro por um retorno melhor? É isso que o índice de Neff quer apresentar.

Não detalharei cada minúcia da fórmula, para isso você pode acessar o ranking inicial do IEV. Em suma, o índice de Neff se destina a responder a uma pergunta: Está barato comprar a ação XXX3 em relação ao valor que ela pode me retornar?

O link original do post do IEV é este, observe que quanto maior o índice, melhor: http://investimentovalor.blogspot.com.br/2016/04/tabela-formula-de-neff-ranking.html#comment-form


Agora para a parte divertida: O último ranking foi elaborado em abril de 2016. Hoje, dois anos depois, vamos ver como se desempenharam as ações originais do último post do IEV:



OBS: Em azul estão as ações recomendadas para compra na data de hoje, conforme o índice de Neff.
OBS: Cortei algumas informações para deixar o ranking mais enxuto e focado no índice.






















Diversas mudanças ocorreram, algumas ações sofreram OPA, algumas ficaram no lixo onde já estavam, outras subiram drasticamente, outras caíram. Vamos pegar algumas de exemplo:

KROT3 – Segurou firme a posição de primeiro lugar, com razão, os fundamentos são bons e os resultados também, um bom exemplo da utilidade do índice.

ODPV3 – Quem diria lá em 2016 que uma açãozinha de plano dentário iria quase dobrar de valor em 2 anos. Pois é, estava lá na meiuca e subiu pro 3º lugar, nada mal!

BGIP4 – Eis a primeira pegadinha do ranking. Pra quem não sabe bgip é ação do Banco do Sergipe, um banco que serve basicamente para depósito dos salários dos servidores de Sergipe. Banco do Estado, unidade federativa pequena, baixa liquidez; perceba que o índice segue crescimento de lucro e de dividendo, mas não compara qualidade de gestão. Estudando os balanços do banco você verá que as margens patinam bastante, portanto 1ª lição: NÃO CONFIE SÓ EM NÚMEROS, estude seus investimentos.

PTBL3 – A ação estava em 4º lugar e despencou para 35º. A Portobello, entretanto, tem recuperado o fôlego, diminuindo a dívida e aumentando o Lucro líquido, possivelmente em alguns anos retornará o valor que em 2016 era esperado. A mesma avaliação cabe a CMIG. Depende de você escolher empresas que patinam em altos lucros e quedas bruscas.

CONCLUSÃO
Índices como o de Neff são FERRAMENTAS para avaliar empresas, mas nem de longe são indicativos inequívocos de qualidade. É preciso estudar cada empresa para ver se vale a pena se tornar sócio em um sistema de buy and hold, ou para os mais corajosos, buy and forget.

No próximo mês iniciarei um novo ranking tirando alguns lixos do ranking original e colocando as novas "promessas" de 2018. Até lá!